quarta-feira, janeiro 26, 2005

224. 10000! 

100, 500, 1000, 10000... O nosso blogue atingiu há pouco as 10000 visitas!
É muita gente...
Já estamos a caminho das 100000!


domingo, janeiro 23, 2005

223. BOM ANO TAMBÉM PARA VÓS 



O Teatro Viriato e a Companhia Paulo Ribeiro são um orgulho para Viseu e para a nossa região. Mesmo aqueles que estão longe poderão avaliar a qualidade das pessoas que trabalham nesta instituição e o trabalho desenvolvido se visitarem este sítio e este.

sábado, janeiro 22, 2005

222. A IMAGEM-MOVIMENTO / A IMAGEM-TEMPO 



Soube há pouco que foi recentemente publicado em Portugal o livro «CINÉMA 1. L'IMAGE-MOUVEMENT» de Gilles Deleuze. Recomenda-se para quem nunca o leu, ou para aqueles que o leram em francês, nas belas edições Minuit, com alguma dificuldade.
Em breve será publicado «CINÉMA 2. L'IMAGE-TEMPS»
A tradução é de Rafael Godinho e a editora é a Assírio & Alvim.

sexta-feira, janeiro 21, 2005

221. O TRIUNFO DO ROCOCÓ  



Exuberância de flores e concheados de um dos altares colaterais da Igreja Matriz de S. João de Areias.
A beleza e a elegância do "risco" e o fino trabalho de talha atribuímo-lo ao grande mestre José da Fonseca Ribeiro (1757-1815), que aqui terá trabalhado em finais da década de 60 do século XVIII.
Os eleitos da nova Igreja Matriz - o Dr. Feliciano Ribeiro de Campos, de Castelejo, o Dr. Manuel Caetano Soares de Albergaria, da Guarita, o Dr. Caetano de Carvalho, de Vila Deanteira, e José António de Lemos e Brito, de S. João de Areias - ao convidarem este grande entalhador pretenderiam não só a afirmação da "sua" igreja, mas também a afirmação pessoal no contexto da sociedade em que viviam.

segunda-feira, janeiro 17, 2005

220. A HUMILDADE DOS HOMENS GRANDES 

Jorge Alarcão, professor de arqueologia na Universidade de Coimbra, diz o seguinte na conclusão do seu artigo Novas perspectivas sobre os Lusitanos (e outros mundos):

As nossas hipóteses aqui ficam, numa tentativa de entender um passado que não é, todavia, fácil de compreender. Outros poderão olhar as coisas doutra forma e verão o que nós, distraídos ou menos informados, não teremos talvez visto. Outros corrigirão o que mal pensado tiver sido; dirão, de coisas que dissemos, que não podem ter sido assim e farão história mais lúcida e mais credível. Conhecer é um processo dialéctico: para que alguém diga a verdade é por vezes necessário que outro, antes, tenha errado. Talvez algumas coisas possam ser de novo olhadas para se verem nelas outros sentidos; mas se alguém disser que elas não têm a significação que lhes propusemos, negar o que dissemos será já um aprofundamento do que se poderá delas saber.

Jorge Alarcão - Novas perspectivas sobre os Lusitanos (e outros mundos), in Revista Portuguesa de Arqueologia, volume 4, número 2, pág. 344, Lisboa, 2001.

Foi com grande prazer que li no último fim-de-semana este artigo do Professor Jorge Alarcão e não resisti a transcrever este trecho.
Penso que diz muito sobre o modo de fazer investigação deste nosso maior especialista da época romana em Portugal: humildade e assunção de que, por maior que seja o seu contributo (como é o caso), ele será sempre dinâmico e temporal.
Já no final do prefácio de uma outra sua obra O Domínio Romano em Portugal (Publicações Europa-América, 1988) afirmava: "(...) O estudo do Portugal romano não é trabalho concluído: é antes um campo aberto de investigação. Uma síntese como a que aqui tentámos tem como função, antes de mais, compendiar e sistematizar os dados de modo que se possam formular novos problemas e abrir novos caminho de pesquisa".
Num país onde ninguém se engana e raramente se tem dúvidas, é bom que alguém seja um espírito de contradição.


sábado, janeiro 15, 2005

219. O CINEMA PORTUGUÊS HOJE 



How can a small country such Portugal, producing less than a dozen films a year, punch above its weight on the international film scene?
Cinema was given a fillip by the revolution of April 1974, which swept away the remnants of the Salazar regime and brought democracy. A national institute for cinema made production subsidies available,essential since the domestic box office could not generate enough finance for even modest films. A Portuguese art cinema was the result.
Directors such as João César Monteiro and João Botelho found success on the festival circuit. Monteiro's Recollections of the Yellow House (Recordações da Casa Amarela, 1989) is a slow, austerely stylish film about a tenant of a seedy Lisbon boarding house. Botelho's Hard Times (Tempos Difíceis, 1988) is an updating of Dickens's novel to contempory Lisbon, the melodrama counterpointed by the elegant black and white photography. In his A Portuguese Goodbye (Um Adeus Português, 1985), a couple whose son has been killed in Portuguese West Africa visit their remaining children in an attempt to find peace in their grief.
Sucess abroad was not always repeated at home, and some films failed to win a release in the domestic market.
Fortunately, Portugal boasts one of the great names of European cinema. Manoel de Oliveira's first feature, Aniki-Bóbó, was made in 1942 and is a recognized classic, but thereafter he made few films until the 1980s. Since Oliveira has been astonishingly productive for a man born in 1908. Representative is Abraham Valley (Vale Abraão, 1993), a three-hour-long version of the story of Flaubert's Emma Bovary set in the valley of the Douro in a present day which seems timeless. It is a stately, densely textured film, given added resonance by a voice-over that provides a subtle and ironic commentary. Oliveira's The Convent (O Convento, 1995) is less successful; despite the presence of international stars such as Catherine Deneuve and John Malkovich, the story of a search for evidence that Shakespeare was a Spanish Jew does not avoid the pretentiousness into which Oliveira's fondness for philosophical digressions can lead him. A more recent film, I'm Going Home (Je rentre à la maison, 2001), made in France when Oliveira was over ninety, is far more rewarding, a tale about an ageing actor (wonderfully played by Michel Piccoli). There is some deftly-handled comic business about buying shoes and getting the right table at a café, and a sense of serenity achieved despite the recent death of the actor's family in a car crash. The Uncertainty Principle (O Princípio da Incerteza, 2002) is another teasingly complex melodrama about class and wealth, immaculately filmed.
Sooner or later this remarkable man will have made his last film; Portuguese cinema will find him hard to replace
.

Edward Buscombe - Cinema Today, págs. 298-300, Phaidon Press Limited, New York, 2003

quarta-feira, janeiro 05, 2005

218. LAST TAPES 

Tarkovski, Bergman, Bresson, Jarmush, J. César Monteiro, Godard... estão de regresso à blogosfera. E céus azuis, nuvens, espelhos de água...
Sabem que existe um blogue chamado Last Tapes? Eu não sabia... até há pouco. A quem pertencerá um blogue assim?


This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Site Meter


referer referrer referers referrers http_referer